sexta-feira, 19 de agosto de 2016

ESTÁ MAL...

By myself & KB

««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Mal ou Mau

Estas duas palavras existem na língua portuguesa e estão corretas. Porém, os seus significados são diferentes e devem ser usadas em situações diferentes. A forma mais fácil e eficaz de usarmos corretamente estas palavras é pela oposição, ou seja, utilizando seus antônimos e vendo qual está correto na frase. O adjetivo mau é o contrário de bom e o advérbiomal é o contrário de bem
fonte: (http://duvidas.dicio.com.br/mal-ou-mau/)

«««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

"ESTÁ MAL..."


Ultimamente a expressão saí muitas vezes para dar uma volta pela cidade, a cada canto ou momento há sempre alguém solicitando por vício ou necessidade uns cinquenta kwanzas, como uma forma de protecção e algumas vezes como um manifesto do estado real do meu bolso.

O quadro económico e financeiro do país certamente é uma matéria para os especialista da matéria se debruçarem, mas na linguagem corrente podemos mesmo reinventa-la para dizer que o rio "kwanza" está sem corrente ou sem vida. Caso que se torna preocupante tendo em conta o impacto na sociedade e famílias no seu dia-a-dia. Quando olhamos para o nosso ponto financeiro pessoal em geral podemos sem muito estudo ou pesquisa social concluir que estamos num quadro cinco a dez vezes menos favorável que há dois anos atrás.

Naturalmente que não devemos ir em busca de culpados pela situação individual, mas no cômputo geral será que seremos justo em questionar os gestores da coisa pública ou os investimento e a sua aplicabilidade. Bem as dúvidas em tempos de pouco pão e nenhuma massa levam sempre a que todo membro da equipa/família/sociedade ache-se dono da certeza e razão.

Pessoalmente acredito e ainda sim vivo pelo que acredito quando digo que as desculpas pertencem aos fracassados. No entanto voltando ao motivo que fez com que eu partilha-se aqui algumas linhas hoje... Em alguns momento o facto de sermos bem-educados pode levar com que algumas pessoas sintam-se no direito de se aproveitarem do nosso bolso, mas ATENÇÃO não devemos deixar de ser educados e humanistas, como hoje começando pelo rapaz que lava o carro e vai receber o pagamento pela prestação de serviço, e nem com isso usou uma melhor técnica de negociação que poderia solicitar um adiantamento de cinquenta kwanzas, depois passei duas vezes pelo jardineiro que não resistiu em tentar a sorte na segunda vez de receber qualquer coisa para o matabicho.

Nós começamos a ter uma espécie de vírus de pedintes ou vidas fofas, o que faz com que um rapaz de vinte poucos anos chegar a gabar-se de não entender porque anda todo o mundo a reclamar da crise ou baixa do petróleo, quando segundo ele "nunca vivi também em minha vida, agora todas as damas gostosas da minha banda eu co... basta um jantar ou dez mil kwanzas, estão todas com fome...". De facto a fome pode atrofiar a mente e matar os valores, mas será que todos os pedintes em todos os diferentes níveis passam fome?

Agora desculpa-me querida leitora não vou escrever mais porque tenho que ir apanhar o carro que já está pronto e pensar no caso da PEP e Shoprite...

Até já!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Talvez

By Kardo Bestilo
03.08.2016 | Luanda

As palavras podem ser muito intuitivas ou abrir as portas da imaginação de um escritor/poeta como uma escada para o palco da imaginação ou criação.

O Poeta vê as palavras como imagens no seu processo de criação o que acaba por uma imagem chamar por outra e assim por diante, naturalmente que o processo não é necessariamente taxativo para cada criador.  

A palavra "TALVEZ" considero bastante inspiradora, o que podemos chamar de palavra de força, na minha escrita e forma de ver a vida. Naturalmente que há outras como "Oxalá" que gritam no meu interior em cada cruzamento.

Hoje estava a recordar, apesar de não saber nenhum de cor e salteado, alguns Poema que de alguma forma a imagem de "TALVEZ" aparecem de formas diferentes, mas representando a maneira como vejo a mesma. Para mim acaba por ser aquela palavra que representa a certeza na incerteza, a sensação de sabermos mas ao mesmo tempo existir a grande possibilidade de tudo o que é não ser. Acaba também por ser a plataforma das dúvidas das coisas que ouvimos, vemos, vivemos e como seres pensantes e feitos de emoções acabamos por normalmente no nosso dia-a-dia elevar ao nosso palco das relações pessoais e profissionais.

Num dos Poemas no livro "ControVerso" o "TALVEZ" aparece também na língua de Shakespeare e questiona a possibilidade de casar em maio e, já no outro a razão de ter um coração se me faz sentir e sofrer. Ainda no mesmo livro consta o Poema "Nada" que questiona o nada mas sempre com a opção que a palavra "Talvez" acaba de oferecer a humanidade de poder ponderar e optar. 

Talvez!

Talvez no final apenas seja uma probabilidade ou uma tendência que o Poeta vai apenas escrever quando tiver a viver um momento de emoção quer positiva como quer negativa. O grande desafio no final vai continuar a ser a necessidade de ter vezes suficiente a disciplina que é obrigatória num escritor ou pensador, escrever ou pensar constantemente, assim como é necessária nos atletas de alta competição se quiserem ir além de um "Talvez" e conseguirem um "Sim" de conquistas e medalhas de ouro. 

Fonte da imagem: http://www.tijolaco.com.br

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Uma Década a Levar Arte


"Um Dia tivemos a coragem de dar um passo...
... e seguiram-se mil e quinhentos passos,
e depois exponêncialmente voaram os passos de tão bem marcar em prol da Humanidade com mais leitura..."

Confesso o que no final tudo isto quer dizer: Não é fácil, não foi fácil e acredito honestamente que nunca será fácil, mas o bom é que é possível ser Levarteano e Fazer Acontecer Arte e o Gosto Pela Leitura entre os Humanos.


Kardo Bestilo

Eu Sou Lev'Arte
Desde 20 de Julho de 2006

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Pensar Lev’Arte em 2014

Kardo Bestilo |Coordenador Geral |Movimento Lev'Arte
8 de Julho de 2014  




Bom dia Amigos e Amigas,
Estamos precisamente no mês do Lev'Arte, o mês em que vamos apagar mais uma velinha desde que em 20 de Julho de 2006 (8 anos) começamos a caminhada que ainda nem ao meio do caminho chegamos com o Objectivo de Incentivar o Gosto pela Leitura e Escrita e Humanizar Através da Arte.
A jornada não tem sido fácil, mas tem sido todo o ponto e centímetro dela prazerosa, e nós acreditamos profundamente que se fosse fácil qualquer um já o faria e não precisariamos de correr por esta causa de "Uma Humanidade Com Mais Leitura".
Ao longo dos anos tivemos muitas oportunidades e parceiros que com o suporte e luz do criador permitiu-nos fazer da nossa máxima "Fazer do Impossível Possível para Acontecer Arte" uma realidade e uma marca Levarteana.
Nós podemos confessar aqui, nós não vimos os oito anos passar, mas as fotos e feitos comprovam que de facto passaram mesmo oito anos, hoje temos em cada um de nós uma pessoa melhor porque no processo de Humanizar Através da Arte acabamos por nos humanizar ainda mais a começar por nós.
Para os próximos quatro anos temos o desafio de conseguir fazer das bibliotecas em escolas públicas uma comodidade, em outras palavras uma coisa comum ou normal, com livros e acessibilidade para os alunos, temos a plena noção que não será fácil assim como em todos os nossos grandes e mesmo pequenos projectos não foram fáceis, mas vamos com base na nossa essência levarteana Fazer Acontecer, porque o que nós fazemos é benéfico para a Humanidade e para o Mundo.
Por "Uma Humanidade Com Mais Leitura" queremos também contar com o seu apoio para podermos receber de si e de cada pessoa que conhece uma simples doação de um livro para "Juntos Construirmos a Nossa Biblioteca em Cada Escola Publica".
O Lev'Arte é cada um de nós que queira um Filho, um Irmão, uma Tia, um Amigo, uma Mãe, um Pai, uma Filha, um Neto, uma Neta com hábitos de Leitura. Eu Sou Lev'Arte desde 2006, e tu?

O país para desenvolver precisa de pessoas que gostem de ler.
As universidades Angolanas para serem referência em Áfrika os estudantes precisam gostar de ler.
As empresas Angolanas para serem competitivas precisam de colaboradores que gostem de ler.
Os nossos alunos para serem os melhores precisam de gostar de ler. 
Eu Amo Ler, e tu?

Movimento Lev'Arte a 8 anos a Incentivar o Gosto pela leitura e escrita na Humanidade. 


Eu Sou Lev'Arte!

segunda-feira, 4 de julho de 2016

The Power Of A Champion - Muhammad Ali

By Kussi Bernardo
10 de jun de 2016

When we are close to the giants we become something that just goes by.One day in 1999 we met a man who never stopped fighting for his believes and other people in need of a hero...
Apesar da sua limitação devido a síndrome de Parkinson na altura a cerca de 17 anos, Muahmmad Ali não deixou de encantar as crianças e ainda demonstrar alguns truques de mágia aquando da sua visita a londres como membro da campanha Jubilee 2000 que visava a redução da dívida de países em vias de desenvolvimento.
Recordo-me de as pessoas em Brixton não acreditarem muito na sua vinda quando distribuiamos os panfletos nos dias antes da actividade, mas inflamarem as ruas de londres e lutarem para estar próximo do campeão que não deixou de espalhar o seu sorriso de um homem que acreditava nas suas palavras e vivia por elas, "A força de vontade deve ser mais forte do que a habilidade."
Alguns pensamentos de Ali:
"O impossível é apenas uma grande palavra usada por gente fraca, que prefere viver no mundo como ele está, em vez de usar o poder que tem para mudá-lo, melhorá-lo. Impossível não é um facto. É uma opinião. Impossível não é uma declaração. É um desafio. Impossível é hipotético. Impossível é temporário. O impossível não existe." "A força de vontade deve ser mais forte do que a habilidade."
"Campeões não são feitos em academias. Campeões são feitos de algo que eles têm profundamente dentro de si — um desejo, um sonho, uma visão."
"Deus não coloca um peso nos ombros de um homem se souber que ele não pode carregá-lo."
"É a repetição de afirmações que leva à crença. E uma vez que a crença torna-se uma convicção profunda, as coisas começam a acontecer."
"O homem que vê o mundo aos 50 anos do mesmo modo que ele via aos 20 anos perdeu 30 anos de sua vida."
"A amizade é a coisa mais difícil do mundo de se explicar. Não é uma coisa que se aprende na escola. Mas, se você não aprendeu o significado da amizade, na verdade você não aprendeu nada."
"O impossível não é um facto, impossível é uma opinião."
Muhammad Ali 

RIP

domingo, 3 de julho de 2016

Acesso ao Conhecimento

Todo o ser humano deve ter acesso ao conhecimento, e a leitura é o nosso pilar para edificar este desiderato...

Lev'Arte é 10

Kardo Bestilo

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Entretanto

By Kardo Bestilo
01 de Julho de 2016


O tempo pode passar e as noites serem de pouco sono depois de sentirmos a vontade e o desejo da manga. Entretanto são as conversas com as pessoas e a vivência em cada nova vida que nos fazem reflectir e deixar novas linhas do pensamento.

Por vezes não vamos saber ou ter a franqueza para poder identificar que conversas e com que pessoas nós vamos abrir o baú da famosa inspiração, mas os nossos filhos e filhas acabam por jogar um papel preponderante no processo.

Um dia no meio de tanta indecisão o meu filho na altura com pouco mais que quatro anos acabou por me ensinar que quando nós não decidimos alguém decide por nós, e o que ajudou-me a ver as coisas de um ponto prático bem diferente.

Outro dia a minha filha ofereceu-me um sermão gratuito de como devo continuar a escrever e o papel da escrita para a humanização e como consequência estou também desde ontem a manter uma nova disciplina de um mínimo de três postes por semana.

Entretanto aqui na banda temos muitos motivos para continuar a trabalhar no incentivo a leitura e levar o conhecimento às comunidades. Por isso o recado é simples e descrito na linha principal ou seja na imagem, precisamos de tomar as decisões de mudança para os maus hábitos, estado de vida e por vezes emocional. Precisamos de decidir mudar e mudar nos actos e no dia-a-dia de formas a adicionarmos mais valores positivos como a leitura e a humanização através da arte.