quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Os Sete "7" Sem Ti

By Kussi Bernardo

A memória de António Sabalo

O tempo sempre foi um indivíduo muito integrante para mim, a palavra aqui escolhida é muitas vezes utilizada em metafísica e estatística para se referir ou identificar qualquer coisa singular, refiro-me a palavra indivíduo.

A sua forma invisível e instantânea que consegue dançar com os nossos sentidos, não pode deixar de tocar qualquer mente pensante. Olhamos para história da humanidade e as grandes questões de toda a humanidade sempre foram à volta do tempo. O sonho da criação da máquina do tempo, a capacidade de voltar no tempo e poder alterar ou corrigir alguma coisa. Mas o tempo é o tempo que nós não conhecemos e no final dos dias queremos sempre poder ter o controlo e a capacidade de ajustar o mesmo para os nossos desejos.

Como eu mesmo, e alguns cientistas em dado momento pensamos e arquitectamos uma formas de criar uma máquina do tempo para corrigir ou salvar uma dada situação da humanidade. Pelo que vemos nos filmes e que faz alguma lógica alterar um evento no tempo pode ter um "efeito borboleta" sobre o presente levando mesmo a inexistência de algumas pessoas do presente e como consequência uma mudança da história tal como a conhecemos.

O tempo em sete anos ou em uma década tem uma passagem muito rápida, mas a verdade é que quando olho para os últimos sete anos posso fazer uma balanço de feitos e transformações, mas não há como não balancear o número de pessoas queridas que deixaram de respirar e partilhar o nosso dia-a-dia, é bem verdade que também recebemos muitas novas pessoas em nossas vidas que também trazem alegrias.

O bom do tempo é que também grava em nossas memórias recordações que já mais esqueceremos assim como a tua gargalhada, os teus conselhos, a tua boa disposição e os teus ensinamentos que fazem de nós o que somos hoje meu pai. No entanto não deixa de ser verdade que gostaria que aqui ainda estivesses para uma boa conversa e aquela nossa troca de ideias para atravessar e gerir da forma mais ágil e estratégica as mudanças sem fim deste mundo em constante transformação meu Pai.

1 comentário:

Lubibo Sabslo disse...

Também sinto muita falta do pai. Por vezes estou às claras, a lembrar os seus conselhos e ensinamentos, para dar continuidade aos meus projectos, aos sonhos................. Ngila Mussongi.